quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

25 de Janeiro: Dia do carteiro

A gente sempre o vê com a sua grande bolsa a tiracolo, cheia e pesada, subindo ladeiras e descendo rampas, enfrentando o calor dos dias ensolarados, o frio do inverno rigoroso, a chuva, a umidade, as intempéries todas que dificultam o seu trabalho dignificante e da mais alta relevância.
Ele segue em frente, entregando as cartas que encerram as mais variadas emoções. Elas trazem notícias, amenizam a saudade, deixam mais próximos os entes queridos que estão separados pela distância. Elas encerram, também, coisas que magoam, desilusões e tristezas, destruindo sonhos lindos e encerrando romances que eram cheios de encanto.
Apesar de estarmos na era da informática, da Internet, dos e-mails e outros recursos com suas mensagens velozes, as cartas ainda são da maior importância para muita gente. E o carteiro é esperado com ansiedade e, sem querer, ele é um causador de fortes emoções. 
Com que apreensão aguarda a sua chegada uma pessoa que espera a carta de alguém a quem ama. Coração batendo fortemente, quanta gente acompanha seus passos quando se aproxima com sua bolsa cheia de correspondência. Quanta alegria, quanta esperança, quanta emoção ao vê-lo chegar. E às vezes, quanta frustração e desilusão ao vê-lo passar e seguir adiante, sem nada para deixar a quem espera tanto. Inadvertidamente, o carteiro vai seguindo em suas passadas largas, alheio aos dramas de cada um. As cartas que traz ou deixa de trazer, geram os mais desencontrados sentimentos. Nas cartas que entrega, deixa muitas vezes alegria, e outras vezes tristeza, muitas vezes amor e tantas vezes ódio.
Figurante dessa eterna comédia da vida, dessa novela real da existência, sem perceber ele se torna participante das mais intricadas tramas do destino. Ele une ou separa, alegra ou entristece, acalma ou exacerba, pode ser o bálsamo que alivia ou a estocada que fere. 
Será que o carteiro às vezes pensa nessa sua participação tão profunda na vida de tanta gente?
- Ah, carteiro amigo, profissional que percorre as ruas com sol ou chuva, calor ou frio, enfrentando o cansaço da maratona diária e as agressões dos cães que tanto se enervam com a sua passagem. 
Carteiro que participa da vida de tanta gente, influindo em tantos destinos, nós o saudamos com admiração e respeito. Seu trabalho é tão importante, sua participação na vida da cidade é tão relevante. 
Nós o saudamos, carteiro, e enviamos os nossos agradecimentos pela sua dedicação.
É para você esta nossa carta de agradecimento.
Ubiratan Lustosa.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Belém 396 anos

Aos 396 anos de fundação, Belém vem se consolidando cada vez mais como a capital da Amazônia que é mais atraente para o turista.  A preferência tem um motivo: A diversidade cultural, o verde das ruas, ilhas e a criatividade de sua população são características da cidade que melhor sintetiza a Amazônia.  Um passeio com olhar mais atento pelas ruas da Cidade Velha pode revelar um pouco da hibridez cultural e arquitetônica de Belém.
Fundada em 12 de Janeiro de 1.616, com uma população de cerca de 2 milhões de habitantes e uma área de aproximadamente 1.064.918 Km2, Belém, conhecida como a Metrópole da Amazônia, é uma das dez cidades mais movimentadas e atraentes do Brasil.

Com seus quase 400 anos de história, a Cidade é Mundialmente conhecida seja no ponto de vista Cultural, Turístico, Econômico ou Político.
Belém promove eventos de grande repercussão como “Amazônia Fashion Week” e o Círio de Nazaré, entre outros, e pode-se dizer que a cidade e uma das principais capitais gastronômicas do mundo. Viva Belém do Pará.