quarta-feira, 21 de julho de 2010

Parada Gay do Marco, para entrar pra historia.

O Bairro do Marco estará organizando sua parada Gay, que ocorrerá no próximo dia 05 de Setembro de 2010, nas ruas do bairro que têm uma grande concentração da população  Gay, que vem a cada dia conquistando seu espaço na sociedade preconceituosa da capital do Pará.
A Parada do Orgulho Gay do Bairro do Marco promete se firmar como o maior evento do gênero dentre os bairros de Belém e pretende mobilizar cerca de 10.000 pessoas. 

terça-feira, 20 de julho de 2010

Café com o Presidente: Geração de empregos e Pré-sal.

Trecho em vídeo do programa Café com o Presidente em que Lula fala dos últimos dados do Caged sobre a geração de empregos no País e sobre a extração do primeiro óleo de produção do Pré-sal, no Espírito Santo.

domingo, 18 de julho de 2010

Procuradora faz elogio indireto a Serra e pode ser processada.



A Folha perguntou à procuradora Sandra Cureau o que ela achava do governador de SP, Alberto Goldman (PSDB), ficar citando José Serra em seus discursos. A resposta veio na forma de um camuflado mas óbvio elogio ao presidenciável tucano "Não pode, falando oficialmente como governador, dizer as coisas boas que Serra fez. Ele está indicando à população que Serra é a pessoa ideal para governar o país", disse Cureau. Ela pode ser acusada de abuso de poder.
Convenhamos. A sub-procuradora-geral eleitoral Sandra Cureau (foto ao lado) é, no mínimo, uma personagem folclórica. Trago um exemplo fictício, e depois sigo com o exemplo da vida real nos ofertado pela procuradora.
Joana chega para Maria e reclama: "Maria, você não deveria falar sobre o quanto Pedro é desonesto"
Ora, o que Joana disse foi: [Pedro é desonesto] [Você não deveria falar sobre].
Lula fez algo parecido há dias: desculpou-se por ter elogiado Dilma em discurso, fazendo novo elogio.
Traduzindo a estratégia de Lula teríamos: [Nunca mais direi que] [Sem Dilma, o trem bala não sairia]
A imprensa criticou o primeiro elogio de Lula a Dilma e o segundo também. Todo mundo percebeu que Lula fez uma mea culpa retórica. A procuradora Sandra Cureau também percebeu. E ameaçou Lula - e Dilma - pela enésima vez.
Logo depois, a rede informou que Alberto Goldman estava fazendo o mesmo: utilizando eventos pagos com o dinheiro do contribuinte para fazer campanha para José Serra.
A Folha de São Paulo, pautada pela rede, confirmou, quase que numa mea culpa editorial, que o governador de São Paulo citou o candidato correligionário dezenas de vezes em seus discursos.
Foram perguntar à procuradora o que ela achava disso. A resposta deve entrar para os anais das curiosidades das eleições de 2010.
Partindo do pressuposto de que a Folha transcreveu fielmente a declaração da entrevistada, a procuradora disse:
"Não pode, falando oficialmente como governador, dizer as coisas boas que Serra fez. Ele está indicando à população que Serra é a pessoa ideal para governar o país."
Desmembrando, teríamos
E1. ["Não pode, falando oficialmente, como governador dizer]"
E2. ["as coisas boas que Serra fez"]
E3. [Ele está indicando à população que]
E4. ["Serra é a pessoal ideal para governar o país"]
Os enunciados 1 e 3 trazem um alerta ao governador Alberto Goldman. Mas os enunciados 2 e 4 são reafirmações do que Alberto Goldman disse.
Seria muito diferente se a procuradora, ouvida pela Folha, dissesse que "O governador não pode, falando oficialmente, elogiar Serra em público, indicando à população a opinião dele sobre o candidato do mesmo partido"
O que a procuradora fez foi embutir um elogio a Serra numa suposta crítica ao governador. Isso é campanha. E com o dinheiro do contribuinte.
A procuradora pode ser denunciada por abuso de poder.

domingo, 11 de julho de 2010

Iniesta vira herói e Espanha conquista a Copa do Mundo.

Tinha de ser sofrido. A Espanha é campeã do mundo após vitória suada sobre a Holanda: 1 a 0. A conquista veio na prorrogação, após o placar ter ficado inalterado no tempo normal e durante boa parte da prorrogação. Em um jogo marcado pela marcação por muitas vezes violenta da Laranja, e por uma arbitragem pavorosa de Howard Webb, coube a Iniesta brilhar pela Fúria ao marcar o gol do título. Em tempo: o tal polvo acertou mais uma.
MUITA VIOLÊNCIA E POUCA CRIATIVIDADE
A Fúria, para variar, tomou conta do início do jogo. As trocas de passes quase intermináveis geraram duas boas chances de gol: na primeira, Sergio Ramos cabeceou para Stekelenburg fazer grande defesa; em seguida, o lateral espanhol fez boa jogada e Heitinga afastou o perigo quase sobre a linha do gol.
A partir daí o que se viu foi um jogo concentrado no meio de campo. Chegou a se tornar violento - De Jong deveria ter sido expulso ao entrar com o pé alto, bem alto, no peito de Piqué. A arbitragem de Howard Webb, o mais jovem a apitar uma final de Copa desde Pierre Capdeville em 1938 (na Itália) foi confusa.
CADÊ OS CRAQUES?
Sneijder e Robben quase não foram vistos na primeira etapa. Van Persie menos. Do outro lado, Xavi e Iniesta eram pouco criativos, muito por conta da forte marcação holandesa. Com poucos chutes a gol, o primeiro tempo foi embora sem deixar saudade - apenas a esperança de que o jogo melhorasse na etapa final.